11 fevereiro 2006

"Cu-Cu"

"Na noite passada, fui convidado para uma reunião com "A MALTA".
Eu disse à minha mulher que estaria de volta pela meia-noite:
- "Prometo!".
Mas as horas passaram rápido, o sangue já escasseava no meio do álcool e estava já a dar a volta às ideias. Por volta de 3 da manhã, bêbado que nem um cacho, fui para casa.
Mal entrei e fechei a porta, o cuco no hall disparou e "cantou" 3 vezes. Rapidamente, percebendo que a minha mulher podia acordar, eu fiz "cu-cu" mais 9 vezes.
Fiquei realmente orgulhoso de mim mesmo por ter uma ideia tão brilhante e rápida, mesmo com uma bebedeira de caixão à cova, para evitar um possível conflito com ela.
Na manhã seguinte, a minha mulher perguntou a que horas eu tinha chegado.
Eu disse-lhe que pela meia-noite. Ela não pareceu nem um pouquinho desconfiada. Ufa! Daquela eu tinha escapado!
Então, ela disse:
- Nós precisamos de um novo cuco, amor...
Quando eu perguntei porquê, ela respondeu:
- Bom, esta noite o nosso relógio fez "cu-cu" 3 vezes e depois disse "foda-se!". Fez "cu-cu" mais 4 vezes, pigarreou, cantou mais 3 vezes, riu, cantou mais 2 vezes. Depois tropeçou no gato, disse "merda!" e peidou-se..."