08 julho 2005

Nasceu, faz hoje 8 anos


Parecia que adivinhava. Depois de ter tentado convencer a médica de serviço que a carta do médico era a sério, veio o "vai aguentar como todas as outras". Foi o dejá vu e durante essas horas valeu-me uma "Nova Gente" torcida e retorcida entre as mãos até se partir ao meio. Quando a médica por fim se convenceu, com a ajuda das abençoadas enfermeiras, lá se repetiu a corrida para a sala da cesariana. O cartão diz que ele nasceu às 17h10. Vi-o mais tarde, era vermelhusco, enrugadito, 3.450 Kg de gente. Hoje é um tornado que nos espicaça constantemente, uma fonte de vida ruidosa e exuberante.
Há pouco tempo encontrei um texto nosso sobre ele, do tempo da Pré. Leu-o pela primeira vez e riu a bom rir, reconheceu-se.

"Eu sou...
uma baboseira constante;
um risco para o recheio da casa;
uma expressão surpreendente;
uma aversão à fruta;
um abraço quando menos se espera;
uma queda para o caos;
uma memória de elefante;
uma chucha no polegar;
uma espírito atento e arguto;
imperativo a pedir um leitinho... ou dois...ou três...
mimoso a chamar para a caminha;
uma "melga" atrás do mano: "brinca comigo!", "eu é que vou ganhar!", "cheguei primeiro!";
um ar de "fiz asneira mas vou safar-me porque ninguém me resiste".
É o Tomás.

São 23.40 e tudo está bem.

3 comentários:

Rosmaninho disse...

E já lá vão oito anos desde a última vez que estive aí. Foi em Maio, e o que conheci do Tomás foi a barriga linda da mãe, que já pesava um bocadinho (notava-se) mas que não nos impediu de passarmos muito bons momentos. Parabéns, mamã e Tomás.

Uxka disse...

Saudades !!!!... e para a próxima fazemos o Pico do Arieiro / Pico Ruivo, pega na tralha e vem.
Jinhos

Dáry disse...

Ah é ele mesmo, é! Conheço "a peça"! Tão fofinho! Jocas